Exame
Blog

Um estudo de Lancet de 2020 conclui que os aparelhos auditivos podem ajudar a reduzir o risco de declínio cognitivo

Contribuído por Acústica Médica

27/08/2020 • 5mn Tempo de leitura

Estudos anteriores mostraram a ligação entre a perda de audição e demência, mas novas pesquisas mostram que o uso de aparelhos auditivos pode ajudar a reduzir o risco de declínio cognitivo.

Lancet publicou um novo estudo em 30 de julho de 2020, que revela que entre os factores de risco modificáveis que podem combater a demência, a perda de audição é o que tem maior percentagem.

O risco de demência varia de acordo com o nível de perda de audição.

  • A perda de audição ligeira duplica o risco de demência
  • A perda de audição moderada triplica o risco
  • A perda de audição severa aumenta o risco de demência até 5 vezes, comparativamente com quem não têm perda de audição

O estudo recente da Lancet também cita que “a perda de audição pode resultar em declínio cognitivo devido à estimulação cognitiva reduzida” e, portanto, Lancet recomenda o uso de aparelhos auditivos para pessoas com perda de audição. 

Ao tratar da perda de audição o mais rápido possível, o risco de declínio cognitivo pode ser reduzido.(1,2,3,4)

12 factores de estilo de vida que podem prevenir a demência

Além da perda de audição, existem outros 11 estilos de vida que podem ser modificados para atrasar ou prevenir 40% dos casos de demência.

Os 12 estilos de vida são: (1)
lancet infographic

A perda de audição é o maior factor de risco modificável

Se toda a perda de audição fosse tratada da maneira ideal, quase um em cada 10 casos de demência poderia ser evitado.

Outro estudo diz-nos que “a deficiência auditiva está associada a uma taxa de 30-40% de declínio cognitivo.”(3) Ao tratar a perda de audição com aparelhos auditivos, o seu cérebro permanece mentalmente estimulado, logo o risco de declínio cognitivo é reduzido. Os aparelhos auditivos são uma porta de comunicação e podem ajudar a facilitar um estilo de vida saudável e activo em todas as fases da vida - e especialmente em fases intermediárias e posteriores da vida, onde o risco de declínio cognitivo aumenta.(1)

Demência e perda de audição são problemas globais

Existem cerca de 466 milhões de pessoas em todo o mundo com perda de audição e cerca de 50 milhões de pessoas com demência. Tratar a perda de audição pode ser uma forma de diminuir o risco de declínio cognitivo em todo o mundo.(5,6)

Como pode tratar a perda de audição?

A forma mais comum de tratar a perda de audição é com aparelhos auditivos. Os novos aparelhos auditivos oferecem uma ampla gama de benefícios ao utilizador para que possa ouvir os sons ao seu redor, da maneira mais natural possível.

Os aparelhos auditivos digitais fornecem uma audição a 360 graus e permitem que se concentre nos sons mais importantes ao seu redor, enquanto equilibram o ambiente sonoro para filtrar ruídos de fundo desnecessários. 

Ao alterar o estilo de vida pode melhorar a sua saúde a longo prazo

A pesquisa inovadora fornecida pelo estudo Lancet mostra que se pode reduzir o risco de declínio cognitivo fazendo algumas mudanças no estilo de vida. Se sente dificuldade em ouvir, é aconselhável fazer um exame auditivo.

Pode ser difícil fazer mudanças no estilo de vida, mas lembre-se de que os benefícios de saúde a longo prazo são benéficos para si e para as pessoas ao seu redor. Os benefícios a longo prazo superam em muito o período de ajuste de curto prazo.

Está interessado em testar a sua audição?

Se estiver interessado em fazer um exame auditivo, marque já.

Marcar exame auditivo gratuito

Fontes:

1. G Livingston, Jonathan Huntley, Andrew Sommerlad, et al. Dementia prevention, intervention, and care: 2020 report of the Lancet Commission. The Lancet. July 30, 2020.
2. G Livingston, A Sommerlad, V Orgeta, et al. Dementia prevention, intervention, and care. The Lancet. July 20, 2017.
3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4075051/
4. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21320988/
5. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/dementia
6. hhttps://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/deafness-and-hearing-loss