Viver com alguém que tem perda de audição

7 agosto 2017

É uma das condições de saúde mais comuns. Entre os bilhões de pessoas do mundo, uma em cada seis tem uma perda de audição. Entre todas as pessoas do mundo com mais de 65 anos, uma em cada três tem perda de audição. Apesar disso, muitas pessoas vivem sem corrigir este problema.

Apesar da perda de audição poder ocorrer de repente, por norma é um processo gradual. Se não existe uma mudança significativa no dia a dia, torna-se mais difícil perceber que a audição está a piorar.

Muitas vezes são os amigos e os familiares mais próximos que se apercebem o quanto a perda de audição afecta no dia a dia, até muito antes da própria pessoa.

Detectar os efeitos

Se reparar em alguém que aumenta o volume de som da televisão ou do rádio.

Provavelmente essa pessoa terá dificuldade em acompanhar as conversas em ambientes mais ruidosos, como restaurantes ou cafés. As pessoas com perda de audição têm de fazer um grande esforço para perceber o que os outros estão a dizer. Podem também sentir dificuldades quando estão numa rua movimentada, por não conseguirem diferenciar os sons do trânsito com outros ruídos diversos.

Se conhece alguém que tem perda de audição, poderá verificar que muito provavelmente o seu comportamento social mudou. A tendência é afastar-se das actividades sociais e tornar-se mais autocrítico, frustrado ou deprimido. Todos estes tipos de comportamento também podem ter um efeito negativo nas pessoas mais próximas.

Depender da audição dos outros

Se está a passar muito tempo com alguém que sofre de perda de audição, vai reparar que tem de repetir muitas vezes aquilo que diz. Essa pessoa pode ter que pedir-lhe para explicar as coisas com mais frequência, e pode estar dependente de si para repetir o que outras pessoas dizem, sempre que sentir essa necessidade.

Desta forma, pode facilmente tornar-se num apoio para os ouvidos da pessoa com perda de audição. Enquanto para essa pessoa pode ser uma situação confortável, para si, provavelmente não, porque vai sentir-se exausto no final do dia.

Quebrar hábitos inúteis

Em média, leva até oito anos para alguém com perda de audição procure ajuda. São oito anos, a perder sons que tornam a vida mais rica: o riso das crianças, o chilrear das aves, o barulho das ondas do mar.

Tornar-se ciente dos inúmeros esforços que faz para "traduzir" pode ser um passo importante, porque irá perceber quanto a pessoa com perda de audição precisa de apoio, e isto pode levá-lo a agir, para o bem de ambos.

Quando confrontados, normalmente algumas pessoas negam que sofrem de perda de audição. Nesses casos, é preciso ter coragem, paciência e persistência até que essas pessoas aceitem que têm perda de audição. É melhor fazer uma abordagem calma e gradual. Se não funcionar na primeira abordagem, não pressione, tente novamente mais tarde.

Aceitar que tem perda de audição é um grande passo na vida de uma pessoa. Demora muitos anos até reconhecer que precisa de ajuda. A boa notícia é que todos podem beneficiar, uma vez que a perda de audição pode ser corrigida com o uso de aparelhos auditivos.

Viver com alguém que tem perda de audição